convitebanner 01convitebanner 04convitebanner 06convitebanner 06 03

Entrevistas de todas as edições

O que me atrai na ficção contemporânea é a abordagem de temáticas sociais

Me interessa quebrar um pouco certo paradigma estabelecido pela universidade, de abordar apenas o texto

A internet será o espaço natural de divulgação dos livros

Não existe política nem para o livro nem para a leitura neste país

"A leitura de textos teóricos me doou o acesso a centenas de livros de ficção"

“Não se pode dizer que a literatura brasileira traduzida tenha um grande número de leitores na França. Certos clichês – carnaval, futebol, violência urbana e exotismo – são difíceis de modificar"

"A noção de permanência está mais nos poucos espaços acadêmicos que se dão à tarefa de ler os contemporâneos. A mídia faz o papel de bússola de um consumo que tende ao efêmero"

“As mulheres estão escrevendo e muito, no Brasil. Atualmente somos livres, totalmente livres para escrever. E não custa nada. Custa disciplina. Autoestima. Cara e coragem. Pôr a mão na massa”

“A literatura melhora a postura, os conselhos que você dá ou recebe, a maneira de criar os filhos”

“Liberdade é uma questão de foro íntimo e que tem a ver com livrar-se das amarras do cânone, da caretice, do politicamente correto, das normas intransigentemente rígidas”

“O período do ‘boom literário’, que durou mais ou menos de 1974 a 1978, foi o verdadeiro ‘milagre brasileiro’, a primeira e única vez em que a ‘alta’ literatura foi ao mesmo tempo difundida e influente no Brasil”

“O deus Acaso rege muito mais do que se imagina as nossas vidas e obras”

“A conversa com o dedo apontado para um cadinho menos literário do poema"

“É imprescindível que a produção dos escritores da periferia seja reconhecida como literatura”

“Dar visibilidade e legitimidade à produção de fronteiras foi o que mais me moveu politicamente nesses 50 anos de carreira”

“Literatura é, antes de tudo, uma invenção”

“A própria realidade se revela a mais fantástica obra de arte”

"Estamos inexoravelmente impregnados pelos textos que lemos”

“O poema só é possível se a cada momento enfrentamos as mudanças de significado e significante que a língua, em sua intensa movimentação, vai propondo”

“Minha busca na favela, rua, cadeia, puteiro ou lavoura é seguir a lição de Mário de Andrade, Villa-Lobos e Guimarães Rosa”

“Se algum escritor pensar o seu projeto preocupado com a crítica ou com algum crítico, é melhor não começar. Já estará morto”

“Meus livros não ficam à vontade em livrarias, mas uns poucos dentre eles, por força de seus conteúdos e referências, poderão até virar sucessos editoriais futuros”

o resto é verso

Se a profissionalização dos processos editoriais se fizesse acompanhar do aumento no número de leitores, poderíamos ter livros belos e baratos

A literatura sempre se alimentou de tipos proscritos, solitários, pobres-diabos, capazes de olhar a sociedade com a impiedade necessária de quem esteve na chuva e se encharcou

A literatura está intimamente ligada à existência, e é isso que a torna potente

“Sem abertura para a alegria, não existe poesia na escrita; existe morte”

“Está em nossas mãos dar a conhecer a literatura brasileira a um leque bastante variado de leitores”

“Logo haverá mais romancistas em atividade que leitores de romance”

“Só conseguiremos ter uma presença consistente no exterior no momento em que recuperarmos nossa própria relação com a literatura brasileira”

“Não desprezo o mercado, isso seria ingênuo, mas creio que a relação deve ser sempre crítica e desconfiada, sob o risco de trituração pela máquina”

“O interesse pelo Brasil se acendeu, e não acho que vá se apagar tão facilmente”

“Não é só a literatura brasileira, mas também a literatura dos próprios Estados Unidos em geral que não nos interessa”

“Uma editora se define por um trabalho sério em muitos níveis”

"Não sou viciado em poesia”

"Nem tudo são temas e metros na composição do poema”

"A tristeza não faz a arte melhor, e sim mais triste"

"A linguagem me liberta"

"O risco da experimentação é resvalar para o pedantismo"

"A poesia e a prosa são muito mais transgressoras que o rock"

"Minha grande façanha intelectual foi me encantar com Bandeira, mas preferir Drummond, quando tinha quinze anos"

"É impossível verbalizar o que realmente interessa"

"A literatura como instituição ou como negócio não me desperta o menor entusiasmo"

"O artista tem que ser corajoso"

"Não há mais lugar para a inocência"

"O fluxo da linguagem, em relação com os fluxos que não são feitos de linguagem, que são ações e paixões, é o que quero entender"

"A literatura escrita na aldeia ou na metrópole só depende da linguagem, do talento e do trabalho do escritor. O Rio de Machado era uma província, Guimarães Rosa fez do sertão um mundo e Faulkner só escreveu sobre o sul dos Estados Unidos"

"É engano pensar que teoria não tem a ver com imaginação"