A literatura sempre se alimentou de tipos proscritos, solitários, pobres-diabos, capazes de olhar a sociedade com a impiedade necessária de quem esteve na chuva e se encharcou

  

Compartilhar

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn